Home
Fotos
Dicas de alimentação
Cuidados com o bebe
UTI Infantil
Dia do parto
Equipe
Fale Conosco
Dúvida mais comuns

::PORTAL NASCER NA UNIMED

Este portal foi elaborado pela equipe de neonatologia do hospital Unimed Araras, com o intuito de tentar minimizar as dúvidas e angústias dos pais, frente ao nascimento de seu filho.

Neste portal é mostrado o ambiente em que o bebê vai nascer e como vai ser a sua passagem pelo hospital, com fotos das dependências do HUA, bem como a estrutura de funcionamento da equipe de pediatras que farão o atendimento ao recém-nascido.

::FOTOS

50 % Porcentagem Meninas
50 % Porcentagem Meninos


* Para fazer a busca nenhum campo é obrigatório, mas é necessário o preenchimento de pelo menos um deles.

Nome do Bebê:
Nome da Mãe:
Nome do Pai:
Data Nascimento: / /

 

::DICAS DE ALIMENTAÇÃO

Muito tem sido enfatizado sobre a importância da amamentação exclusiva nos seis primeiros meses de vida, mas também é benéfica a amamentação após este período. Segundo a Organização Mundial de Saúde os bebês deveriam ser amamentados, com complemento, no mínimo até o 2º ano de vida.

a. Vantagens para o bebê

Alguns trabalhos científicos mostram que os bebês amamentados:
- De modo geral são mais inteligentes;
- Podem ter melhor desenvolvimento psicomotor e maior facilidade de relacionamento com outras pessoas;
- Menor risco de obesidade na vida adulta;
- Melhor desenvolvimento das mandíbulas, com menor risco de má-oclusão;
- Menos dificuldades de fala;
- Menos quadros infecciosos pois o leite materno é estéril, isento de bactérias e contém fatores antiinfecciosos
- Menos risco de doenças como: alergia, otite média (infecção de ouvido), alguns tipos de linfomas (neoplasias do sistema linfático), enterocolite necrosante, diabete do tipo I (juvenil, insulina-dependente), artrite juvenil, esclerose múltipla, cegueira noturna (por deficiência de vitamina A),;

b. Vantagens para a mãe

As mães que amamentam têm:
- Menos ansiedade e insegurança
- Maior rapidez na involução do útero e redução do riscp de hemorragia no pós-parto, pelo estímulo para produção de ocitocina;
- Menos risco de contrair câncer de mama;
- Menos risco de osteosporose;
- Menor necessidade de utilização de insulina naquelas que tem diabete;
- Menor risco de desenvolver câncer de ovário e câncer endometrial;
- Além da vantagem de voltar ao peso habitual mais rapidamente.
Além disto tudo:
· Amamentar é muito prático, sem necessidade de comprar mamadeiras, bicos, leite, além do preparo e esterilização do material;
· O leite materno está sempre na temperatura ideal
· O leite nunca azeda ou estraga na mama.

c. Produção do leite

A produção de leite começará em maior volume cerca de 72 horas depois do nascimento do bebê. Antes disto será produzido o colostro.
Para que possa ocorrer a amamentação temos a atuação de 2 hormônios; a prolactina, que atua na produção e a ocitocina, na liberação do leite.
Sentimentos, pensamentos e sensações maternas podem afetar o processo de liberação do leite, atuando na ocitocina, tanto ajudando quanto inibindo este reflexo. Por exemplo, preocupação, dor e vergonha podem inibir a "descida" do leite.

d. Composição do leite materno

Colostro
Rico em anticorpos, funcionando como uma "vacina" para o recém-nascido. Ele também é rico em proteínas (em quantidades maiores do que a do leite maduro) e tem menos gordura. Também é rico em fatores de crescimento que estimulam o desenvolvimento intestinal da criança. Também auxilia na eliminação do mecônio, por ser laxativo, ajudando a evitar a icterícia.
Leite maduro
É o leite produzido posteriomente. Sua composição se modifica durante a mamada, sendo diferente no fim e no começo, por isto a criança não deve ser interrompida em sua mamada, pois necessita dos dois tipos.
Leite do Começo: Parece acinzentado e aguado. É rico em proteína, lactose, vitaminas, minerais e água.
Leite do Fim: Parece mais branco do que o leite do começo porque contém mais gordura.
O leite materno contém:
- Nutrientes necessários para a alimentação nos primeiros seis meses de vida;
- Água em quantidade suficiente;
- Proteína e gordura mais adequadas para a digestão da criança;
- Lactose, que é o açúcar do leite, em maior quantidade que os outros leites;
- Vitaminas em quantidades suficientes;
- Ferro em quantidade suficiente (pequena quantidade mas com boa absorção);
- Sais, cálcio e fósforo em quantidades adequadas;
- Lípase, enzima que atua na digestão das gorduras, tornando o leite materno menos "pesado" que os outros;
- Células brancas ou leucócitos: que atuam na defesa do organismo contra as bactérias;
- Anticorpos: criados pelo organismo materno para a proteção contra as infecções e que são passados para a criança pelo leite materno, que passa a funcionar como uma "vacina";
- Fator bífido: que facilita o crescimento dos Lactobacíllus bifidus, bactérias que impedem que outras cresçam no intestino da criança causando diarréia;
- Lactoferrina: substância que se associa ao ferro, impedindo que as bactérias o utilizem para o seu crescimento.
- Endorfina, substância química que ajuda a suprimir a dor;

e. Posicionamento na Amamentação

Para facilitar a amamentação é necessário:
· Que a mãe esteja em uma posição confortável
· Que a criança seja posicionada de forma que a sua barriga fique de frente com a barriga da mãe
· Que haja uma boa "pega" do bebê no mamilo, de forma que o máximo possível da aréola esteja na sua boca. Para isto a boca da criança deve estar bem aberta e não se consegue ver quase nada da aréola. Assim o bebê deve mamar sem fazer barulho (sugando "ar").
Se a "pega" estiver correta a mãe não sente dor nos mamilos (só umas fisgadas no começo)

::CUIDADOS COM O RECÉM NASCIDO

1. ALIMENTAÇÃO

A amamentação deve ser realizada em livre demanda, sem imposição de horário ou quantidade. Nos primeiros dias, a criança fará mamadas mais curtas e mais freqüentes. Com o tempo, conseguirá mamar mais em cada mamada e dormir por mais tempo. As crianças alimentadas ao seio não têm necessidade de complementação com água ou chás.

2. CUIDADOS COM O COTO UMBILICAL

O recém-nascido pode chorar por vários motivos e no início é difícil para a mãe identificar a razão, mesmo para aquelas que já tem experiência anterior, pois cada criança é diferente. A criança pode chorar por calor, por frio, por estar incomodado com a roupa ou mesmo estar com a fralda suja.

3. HIGIENE

Antes de iniciar o banho, prepare as roupas, toalhas, fralda e tudo o mais que for utilizar para evitar que a criança se resfrie enquanto você estiver procurando algo após ela estar sem roupa. Nos primeiros dias, utilize sabonete neutro, de preferência os menos perfumados. Evite uso de perfumes, xampu, condicionador, talco, lenços umedecidos. Se estiver calor, pode dar mais de um banho diário, mas com pouco uso do sabonete para não ressecar a pele do bebê. Nas trocas de fralda, utilize água morna (pode deixar em uma garrafa térmica) e algodão para a higiene.

4. BANHO DE SOL

As crianças têm a vitamina D, importante no metabolismo e crescimento dos ossos, em uma forma inativa. Esta vitamina só começará a atuar quando houver a ação dos raios solares sobre ela. Para que isto aconteça, a criança deve tomar banho de sol, nos períodos em que o sol não esteja muito forte, antes das 9 horas ou após as 16 horas. Os raios solares devem agir diretamente sobre a pele (não adianta estar com roupas longas). O banho de sol pode ser dado dentro de casa, em locais em que haja sol, por exemplo próximo a janelas, com o vidro aberto (não adianta os raios solares que passam pelo vidro fechado). Se não for possível dar o banho de sol em dias de frio ou nublados, isto não será prejudicial para a criança, desde que sejam aproveitados os dias ensolarados.

5. TESTE DO PEZINHO

Teste realizado para detecção de duas doenças:
FENILCETONÚRIA : um erro inato do metabolismo em que o paciente tem deficiência no metabolismo de alimentos que contenham fenilalanina. Sua detecção é importante pois este aminoácido está presente nos leites comumente dado as crianças, inclusive no materno. As crianças que têm esta doença devem que ser alimentadas com um leite especial, assim que o diagnóstico for feito.
HIPOTIREOIDISMO : deficiência na produção de hormônio tireoidiano, que deve ser complementado assim que possível.
É importante que a coleta do exame seja feita o mais rapidamente possível, para que o tratamento possa ser iniciado de modo a evitar o retardo do desenvolvimento neurológico. Sua coleta não é feita ao nascimento, pois a criança precisa estar mamando adequadamente para que não haja falsos resultados na dosagem.

6. VACINAÇÃO

As primeiras vacinas a serem administradas ao recém-nascido serão: BCG (contra tuberculose) e contra HEPATITE B. Estas poderão ser feitas logo após a alta, desde que a criança tenha mais de 2 kg. Depois serão marcadas as vacinas posteriores. No calendário público temos ainda as seguintes vacinas: tríplice (contra difteria, tétano e coqueluche), Sabin (contra paralisia infantil), contra sarampo, contra Haemophilus, tríplice viral ou MMR (contra rubéola, sarampo e caxumba). Existem algumas vacinas que são aplicadas apenas em clínicas particulares como: tríplice acelular, contra varicela, contra hepatite A, contra pneumococo, contra meningococo. Discuta com o seu médico as vantagens na administração destas vacinas.

7. PRIMEIRA CONSULTA

Toda criança, mesmo que não tenha nenhum problema, deve passar em consulta de puericultura 1 vez ao mês, nos primeiros 6 meses de vida, para acompanhamento do ganho de peso e comprimento, avaliação neurológica e orientações de rotina. Deve ser realizada, de preferência nos primeiros 10 dias de vida do recém-nascido. A avaliação do ganho de peso será a melhor forma de avaliar a amamentação e esta primeira consulta servirá para tirar as primeiras dúvidas em relação aos cuidados com a criança. Quando surgirem dúvidas, anote para que elas possam ser lembradas por ocasião da consulta.

8. VESTUÁRIO

Dê preferência para roupas de algodão.Vista seu bebê sempre com roupas de acordo com as condições climáticas e com roupas confortáveis. A criança não precisa ser agasalhada em excesso apenas por ser recém-nascida, ela também sente calor.

9. BERÇO

O berço deve ser protegido em suas laterais para evitar acidentes com o bebê. Não deixe brinquedos ou outros objetos com os quais a criança corra o risco de sufocar-se. É preferível o uso de roupas mais quentes durante os dias mais frios, do que o uso de cobertores. Se estes forem utilizados, coloque a criança com os pés próximos ao pé da cama, com o cobertor até a altura do tórax e preso sob o colchão, para evitar que, com a movimentação a criança entre embaixo da coberta.

10. TRANSPORTE

Desde o nascimento a criança já deve ser transportada em bebê conforto próprio para o transporte em carro, virada para o vidro traseiro do carro. As crianças devem ser transportadas viradas para trás até 1 ano de idade.
Mesmo em trajetos de curta distância é perigoso o transporte de crianças no colo. Trabalhos mostram que crianças pequenas, com cerca de 5 kg, em um impacto a 50 Km/h, exercem uma força de 100 Kg no colo de quem está carregando, o que torna praticamente impossível que a pessoa consiga segurá-la. Além disto o bebê pode ser esmagado pelo peso de quem está carregando ou ser arremessada para fora do carro.
Dê preferência para cadeiras que respeitem a NBR 14400, norma que estabelece requisitos de segurança para dispositivos de retenção em veículos (cadeiras), ou que apresentem o selo de certificação de segurança (européia ou americana).

 

::UTI INFANTIL

INAUGURAÇÃO DA UTI INFANTIL DO HOSPITAL UNIMED ARARAS EM 01/02/2012

“...Quem salva uma vida , salva o mundo inteiro...” ( Talmud )

Como já é sabido por todos e assunto corrente em toda mídia , a falta de leitos nas unidades de terapia intensiva em todo o Brasil, soa como mais um temor de toda família que se vê na necessidade desse tipo de assitência a algum ente querido.

Já não bastasse toda sensação de fragilidade imposta pelo problema de saúde, ainda ter que lidar com a insegurança da possibilidade de internação em algum hospital que não seja na sua cidade, perto da sua família, do seu médico de confiança etc, gera um desconforto que com certeza pode influenciar inclusive na recuperação do doente.

Dessa maneira, para os pacientes pediátricos e do período neonatal não é diferente.

Sendo que algumas particularidades evidentemente podem interferir no prognóstico do doente grave ,para citar alguns : o transporte sempre de risco para bebês prematuros; a perda de tempo na busca de vaga que atrasa o tratamento mais intensivo; a angústia da família de não poder ficar mais próxima do seu filho; a pouca disponibilidade de médicos e enfermeiros que realizam esse tipo de transporte; etc.

Assim, é com extrema felicidade e disposição que inauguramos a UTI Infantil do Hospital Unimed Araras.

De início, serão seis leitos para atender a população pediátrica e neonatal dos usuários Unimed que necessitem de cuidados intensivos.

Realmente é uma conquista de toda sociedade ararense e um privilégio para toda região , já que o serviço pode ser extendido a usuários Unimed de outras cidades que porventura venham a precisar de auxílio do nosso Hospital .

Com a nova UTI ganharemos mais segurança para o pré natal e para o parto prematuro, uma retaguarda importante para o Pronto Atendimento e para o Centro Cirúrgico.

A equipe é composta por pediatras e neonatologistas com formação sólida , especialistas em terapia intensiva , com experiência na área e preocupados com a atualização médica continuada, por enfermeiras especialistas , uma equipe multidisciplinar e aparelhada seguindo as normas vigentes da Anvisa.

Graças ao apoio de todo executivo e da diretoria do HUA iniciamos nossos trabalhos nesse 1 de fevereiro de 2012. O trabalho sera árduo, SEMPRE haverá o que melhorar, mas a recompensa traduzida em recuperação,saúde e sorrisos de gratidão, valerá ,sem dúvida, todo o nosso esforço.

Texto elaborado pelo:

Dr. Sergio Amaral Chiquito
Especialista em Terapia Intensiva Pediatrica
Chefe da UTI Infantil do Hospital Unimed Araras

 

 

::O QUE LEVAR PARA A MATERNIDADE

Não é todo dia que a família sai correndo para hospital a fim de acompanhar o nascimento de mais um membro(a) da família. Nessas horas de pressa e afobação, é comum esquecer de alguns itens importantes que devem acompanhar a mamãe e o bebê.
Além disso, são precisos documentos e outros comprovantes requeridos para a internação imediata, o esquecimento de algum deles, pode atrasar, literalmente, a vida. Por isso, aí vão algumas dicas para um “kit maternidade” que deve ficar sempre preparado nas últimas semanas. O enxoval da mamãe e do bebê devem ser preparados desde o 7º mês de gestação.

ENXOVAL DA MAMÃE
(item / quantidade)

- Pacote de absorvente próprio para o pós-parto - (01)
- Par de chinelos de quarto de borracha- (01)
- Jogos de camisolas que sejam de fácil manejo para a amamentação ( com abertura na frente) - (03)
- Calcinhas de tamanho maior do que usava antes de engravidar - (06)
- Escova de dentes, de cabelos, xampu, sabonete, creme dental, toalhas ( o Hospital fornece)
- Sutiãs próprio de amamentação - (02)
- Protetores de seios
- Máquina fotográfica (Você não vai perder a chance dessas fotos por nada!)

ENXOVAL DO BEBÊ
(item / quantidade)

- Fralda descartável (tamanho recém-nascido) - (01 pacote)
- Conjunto pagão com calça - (03)
- Conjunto de lã de acordo com o clima - (03)
- Macacão de recém-nascido - (04)
- Manta (de acordo com a estação) - (01)
- Fraldas de pano (brancas, sem pintura) - (06)
- Sapatinhos e luvas de lã (no frio) e meias – (02)

- Cobertor (inverno)

OBS: Toda roupinha do bebê deverá ser lavada com sabão neutro, passadas e “embaladas” em plástico, para levar ao Hospital.



DOCUMENTOS

- RG da paciente / Certidão de casamento
- Carteira da Unimed
- CIC e RG do marido ( para registrar o bebê)

 

 

::EQUIPE

A equipe da neonatologia da Unimed Araras (Araras, Conchal e Leme) é formada por pediatras que atuam em regime de plantão de disponibilidade para cobertura de atendimentos em sala de parto, 24 horas por dia. A qualquer momento que ocorrer o parto, seja ele programado, como no caso de cesáreas, ou na urgência, um profissional da equipe estará em disponibilidade e será acionado para o atendimento do recém-nascido na sala de parto.
Este grupo também acompanha o binômio mãe-filho, internado em alojamento conjunto (quando mãe e recém-nascidos ficam juntos) até sua alta hospitalar, bem como os pacientes internados no Berçário.

::Fale Conosco

 
 
Nome:
E-mail:
Telefone:

Comentários

 

::DÚVIDAS MAIS COMUNS

1. Existe leite fraco?

Não, todos os leites têm os nutrientes na quantidade ideal para a criança. Nos primeiros dias a criança mama pouco por vez e dorme bastante, fazendo vários períodos de mamadas curtas. Além disto, pelas qualidades do leite materno, a sua digestão é rápida, com melhor aproveitamento dos seus componentes. Conforme a criança for passando o tempo, a criança conseguirá mamar por mais tempo e dormir por períodos maiores.

2. O nenê chora o tempo todo, será que é fome?

O recém-nascido pode chorar por vários motivos e no início é difícil para a mãe identificar a razão, mesmo para aquelas que já tem experiência anterior, pois cada criança é diferente. A criança pode chorar por calor, por frio, por estar incomodado com a roupa ou mesmo estar com a fralda suja.

3. Posso dar água ou chazinho para o bebê?

As crianças alimentadas ao seio não necessitam de complementação com água ou chá.

4. Se o bebê dormir muito preciso acorda-lo para mamar?

Se ele tiver nascido a termo (no tempo certo) ele acordará quando estiver necessitando da mamada, sem necessidade de ser acordado. Os prematuros precisam ser acordados pois eles costumam ser mais sonolentos, mesmo sem mamar o suficiente.

5. Tenho medo de lidar com o umbigo, ele dói?

Não, o coto umbilical é um tecido que não tem inervação, logo ele não transmite a sensação de dor. Além do mais, ele é um tecido que está necrosando pois já não é mais necessário após o nascimento. Quanto mais limpo e seco o umbigo estiver, menor o risco de infecção e mais rápido ele cairá.

6. Devo dar remédios para a cólica?

Nem todas as crianças têm cólicas. A cólica do recém-nascido ocorre pois o funcionamento do intestino do bebê ainda é desregulado e o que causa dor é a contração da alça intestinal em locais em que o intestino está com gases. Infelizmente, os medicamentos pouco agem na melhora da dor. O que podemos fazer para melhorar o quadro é auxiliar a criança a eliminar os gases, através de massagens na barriga e exercícios com as perninhas, além de colocar a criança para arrotar após cada mamada.

7. A partir de que idade a criança pode ser transportada em cadeirinha no carro?

Existe um bebê conforto próprio para o transporte de recém-nascidos, em que a criança é transportada virada para a traseira do carro e pode ser usada desde o nascimento.

8. Para que serve o TESTE DO PEZINHO?

O teste é feito para triar duas patologias :
FENILCETONÚRIA : um erro inato do metabolismo em que o paciente tem deficiência no metabolismo de alimentos que contenham fenilalanina. Sua detecção é importante pois este aminoácido está presente nos leites comumente dado as crianças, inclusive no materno. As crianças que têm esta doença devem que ser alimentadas com um leite especial, assim que o diagnóstico for feito.
HIPOTIREOIDISMO : deficiência na produção de hormônio tireoidiano, que deve ser complementado assim que possível.
A importância do diagnóstico destas patologias é que elas têm tratamento. E, se não forem tratadas a criança evoluirá com retardo do desenvolvimento neurológico.

9. O que é a icterícia? Posso tratar com banho de sol ou "banho com chá de picão"?

A icterícia é identificada pela coloração amarelada na pele e conjuntiva ocular. No recém-nascido existem várias causas possíveis, mas a icterícia mais freqüente é aquela chamada de ICTERÍCIA FISIOLÓGICA que ocorre por uma imaturidade do fígado do bebê, na metabolização da bilirrubina, substância que dá a cor amarela à pele. Se não houver fatores agravantes como hepatite ou incompatibilidade entre o tipo de sangue da mãe e do bebê, a icterícia deverá desaparecer entre 7 e 10 dias, sem necessidade de tratamento. Se houver algum fator que faça com que a icterícia se intensifique poderá ser necessário instituir o tratamento com FOTOTERAPIA ("banho de luz", realizado com a criança internada) para evitar que níveis muitos altos de bilirrubina possam causar problemas neurológicos na criança. Se for o caso, o banho de sol e/ou banho com "chá de picão" de nada adiantarão e ainda atrasarão o tratamento.